POSIÇÃO DA MELISSA EM RELAÇÃO ÀS CÓPIAS E À PIRATARIA

POSIÇÃO DA MELISSA EM RELAÇÃO ÀS CÓPIAS E À PIRATARIA

 Como todas as marcas mais desejadas do mundo, Melissa também sofre com as cópias ilegais. Mas em 2009 esse problema aumentou. Passamos a receber uma quantidade enorme de reclamações de nossas apaixonadas consumidoras: no orkut, em blogs e no próprio blog da Melissa. Por isso resolvemos deixar pública a nossa posição com relação às cópias. Em primeiro lugar é preciso dizer que acreditamos que a concorrência é extremamente saudável em qualquer mercado. Assim, é natural que com o sucesso que Melissa vem obtendo, novos concorrentes apareçam. Melissa é a referência mundial no seu segmento e por isso será sempre copiada. Seja como inspiração para os concorrentes seja como vítima de cópias ilegais. Com relação a nova onda do calçado plástico, é preciso dizer que outras marcas internacionais como Marni, Chanel, Tory Burch, Tods, etc estão utilizando calçados de plástico (jellies) nas suas coleções. E a indústria calçadista brasileira, que segue as tendências internacionais, não ficaria de fora desse mercado. A própria Grendene, empresa que fabrica a Melissa, lançou a marca Zaxy com outro posicionamento de mercado e atingindo uma parcela maior da população. Portanto a regra é simples: inspiração é uma coisa, cópia é outra. Somos terminantemente contra a pirataria e a concorrência desleal que as cópias representam. A Melissa investe muito dinheiro e talento em pesquisa e desenvolvimento para criar uma experiência única para as suas fãs, como por exemplo, nos produtos criados com os Irmãos Campana. Nosso preço para estes produtos reflete o longo processo que é necessário para obter tamanha qualidade em design. Quem compra uma cópia falsificada de uma sapatilha Campana pensa que é esperta por estar economizando, mas na verdade é o oposto disso. Em primeiro lugar porque comprar cópias é uma atitude altamente insustentável. As sapatilhas da nova linha Campana, por exemplo, levam até 30% de material reciclado e usam apenas o Melflex®, que como todo PVC da Grendene é limpo de metais pesados. A cópia falsificada usa matéria-prima mais poluente e sua composição não segue as rígidas normas que a Grendene adota na elaboração dos seus produtos. O meio-ambiente agradece a sua escolha pelo produto original. Segundo: comprando a cópia você, indiretamente prejudica quem mais admira: a Melissa e os Irmãos Campana, que trabalharam para criar o design mais lindo para você. As cópias acabam com novos investimentos e logo, ao invés de peças únicas de design sustentável o mercado só vai ter sandálias sem nada de especial, que nem valem a pena ser copiadas. Vai dizer que isso seria bom? Além disso a pirataria é um crime que está comprovadamente ligado a uma série de outros crimes: sonegação de impostos, contrabando de armas e drogas, o uso trabalho escravo, entre outros, além de levar a outras práticas desumanas de relações trabalhistas. Ou seja, aquela economia esperta de quem compra a cópia pirata pode estar bancando uma série de atividades ilícitas. O alívio no bolso é também um tremendo peso na consciência. Segundo Emerson Kapaz, presidente do Etco (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial), a perda decorrente de pirataria, contrabando e sonegação supera os R$ 100 bilhões de reais por ano. Somente 10% desse dinheiro seria suficiente para custear boa parte do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, que atualmente atende 800 mil crianças entre 7 e 14 anos, afastando-as do trabalho e de atividades insalubres. Ou seja, uma simples sandália falsificada representa um enorme passo em falso. É claro que a Melissa está adotando todas as medidas legais cabíveis para proibir, banir e retirar de mercado as cópias ilegais. Queremos deixar claro que você, que ama Melissa e que quer continuar vendo a marca lançando novas experiências, pode ajudar muito não comprando produto pirata e esclarecendo a sua amiga que comprou sobre as consequências morais desse ato. A Melissa custa um pouquinho mais? Custa sim. E sabe por quê? Porque Melissa é a tendência. E ser a tendência implica em ter uma ampla linha de produtos, colaboradores, materiais superiores, distribuição seletiva e produções menores de vários modelos ao invés de grandes produções de um único modelo. Fazer algo tão especial custa um pouco caro. Mas você já conhece a diferença, né? Melissa é tendência porque acrescenta valor ao plástico e dessa forma acrescenta valor à sua vida. O valor da sustentabilidade, da beleza, do design, da arquitetura, da moda, da música e da arte. Tudo isso é seu. Não deixe um criminoso roubar isso de você.
#Fonte Blog Melissa

2 opiniões sobre “POSIÇÃO DA MELISSA EM RELAÇÃO ÀS CÓPIAS E À PIRATARIA

  • 5 de dezembro de 2011 em 11:30 AM
    Permalink

    Na minha cidade a Aranha Quadrada virou febre,nas mais variadas cores, todo mundo está usando.Só que uns 90% são falsificadas.Tem uma loja vendendo e todo mundo tá comprando.Eu que adoro melissa e conheço de longe às vezes fico em dúvida qdo vejo alguma menina usando, sem saber se é a original ou ñ. Mas é só chegar mais perto pra perceber, a qualidade é completamente outra, principalmente as ”flocadas”.

    Resposta
  • 20 de julho de 2012 em 5:45 PM
    Permalink

    Não acho legal a comercialização de produtos *fakes, quando a Melissa lança um calçado lindo depois de um tempo aparece nas vitrines uma réplica. Quem acha os preços da Melissa acessível sempre vai comprar. Mas o caso nem é preço acho mesmo que a sandália tem que ser confortável e tem que durar. Aqui em BH as aranhas está sendo vendida há R$15,00 normal e flocada há R$20,00, enquanto a Melissa vende há RS60,00 mas com qualidade e durabilidade o que é melhor. Bom meninas Melisseiras não vamos desonrar a marca que adoramos. Obrigada.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>